admin

admin

O Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia) indica que esse sábado (28) deve ser nublado e com possibilidade de pancadas de chuvas isoladas em Dourados.

A temperatura mínima prevista para o município é de 22ºC e a máxima de 30ºC. Já a umidade relativa do ar deve ter variação entre 40% e 75%.

Durante a manhã, a previsão aponta tempo parcialmente nublado, condição que passará para nublado com pancadas de chuva isolada ao longo da tarde e durante a noite.

De acordo com o Guia Clima da Embrapa Agropecuária Oeste, na sexta-feira (27) Dourados teve temperatura mínima de 18.8ºC às 5h37 e máxima de 33.3ºC às 14h14. Minutos depois, às 14h30, houve sensação térmica de 32.8ºC. O dia transcorreu sem chuva e com umidade relativa do ar entre 74% às 5h48 e 32% às 14h21.

A partir deste sábado (28) Dourados inicia um período indeterminado sem voos comerciais. Por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), as três companhias aéreas que atendiam o município com linhas diárias até São Paulo suspenderam suas operações no Aeroporto Regional Francisco de Matos Pereira.

A Gol Linhas Aéreas comunicou que de hoje até o dia 3 de maio manterá apenas 55 voos diários entre o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, e as capitais brasileiras. A rota através do território douradense, inaugurada no dia 2, fica suspensa.

A Voepass, que atende Dourados com a Passaredo, suspendeu no dia 23 de março as duas frequências diárias que atendiam o município com destino ao Aeroporto de Congonhas, em São Paulo.

A Azul incluiu o Aeroporto de Dourados no cancelamento das operações entre 26 de março e 30 de abril. Ela atendia passageiros com embarques na cidade e destino até Viracopos, em Campinas, São Paulo. Seu último voo no município ocorreu em 17 de março.

Conforme o diretor da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Carlos Fabio Selhorst dos Santos, o aeroporto local atenderá voos particulares, militares e possíveis emergências. “Não estarão acontecendo os voos comerciais, mas o aeroporto continuará aberto, atendendo as aeronaves que utilizam Dourados como ponto de apoio”, informou.

Em dezembro de 2019, antes mesmo da Gol iniciar suas operações em Dourados, o diretor do Aeroporto Regional Francisco de Matos Pereira, Juliano de Almeida Domingos, informou ao Dourados News que houve 6.244 embarques de desembarques em janeiro, número que saltou para 9.662 em novembro daquele ano. Na época, a expectativa era movimentar entre 18 e 20 mil passageiros ao mês com as três companhias em operação.

A SES (Secretaria de Estado de Saúde) confirmou mais três casos de coronavírus em Mato Grosso do Sul. Entre eles, a mulher de 64 anos, moradora em Batayporã, internada em estado grave em um hospital de Dourados. Ela chegou ao município na tarde de ontem (26/3), depois de deixar a cidade de Nova Andradina. 

De acordo com o boletim epidemiológico, além da idosa, um homem de 36 anos, residente em Rio Verde do Mato Grosso e uma mulher, moradora em Campo Grande, totalizam os novos testes positivos. 

O primeiro contraiu o vírus após viagem a São Paulo, enquanto a segunda, através de contato com pessoa infectadas. 

Com esses novos dados, agora são cinco municípios com casos de Covid-19 em Mato Grosso do Sul. Dos confirmados, 24 deles ocorrem em Campo Grande e um em Ponta Porã, Sidrolândia, Rio Verde e Batayporã. 

No caso da idosa internada em Dourados, ela manteve contato com familiar que esteve na Bélgica. 

A notificação ocorreu no dia 24 de março. Ela chegou a ser internada em hospital da Cassems em Nova Andradina e respirava com a ajuda de aparelhos, segundo o Nova News. 

Números

Até o momento a SES notificou 427 casos de coronavírus no Estado. Desses, 51 ainda aguardam os exames realizados no Lacen (Laboratório Central), na Capital. Já 337 acabaram descartados e 11 excluídos. 

Não há mortes pela doença em Mato Grosso do Sul. 

Já no Brasil são 92 óbitos e 3.417 casos confirmados, de acordo com dados divulgados pelo Ministério da Saúde nesta sexta. 

O prefeito de Terenos, Sebastião Donizete Barraco (DEM), publicou decreto nesta sexta-feira (27) permitindo a abertura de praticamente todo comércio. Na publicação, a administração autoriza o funcionamento de vários locais, entre eles, academias e balneários. Para que a população utilize os locais, a prefeitura fixou medidas de higienização e contra aglomerações.

 

Também fica proibida a entrada nos locais de pessoas que possuam doenças cardiovasculares ou pulmonares, imunodeficiência de qualquer espécie, transplantados, gestantes, puérperas e maiores de 60 anos.

Em relação aos parques, praças e balneários municipais, os horários máximos de funcionamento serão das 06h às 17h, desde as pessoas não fiquem aglomeradas e atendam as recomendações do Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde e OMS (Organização Mundial da Saúde), quanto à prevenção do Covid-19, consta no decreto.

 

Dos locais com permissão para abrir, também estão casas lotéricas e igrejas, porém o juiz federal Márcio Santoro da Rocha suspendeu trecho do decreto presidencial que permitia que igrejas e casas lotéricas abrissem durante a situação de emergência. Veja a o decreto da prefeitura Terenos na íntegra com os locais e medidas para higienização e contra aglomerações.

 

Veja os locais que poderão abrir na cidade, em trecho do decreto abaixo:

 

  1. I) Cultos Religiosos de qualquer natureza, Farmácias, Supermercados, Mercados, Peixarias, Hortifrutigranjeiros, Quitandas, Lojas de Conveniências, Lojas de Alimentação para animais, Agropecuárias, Depósitos de Materias de Construção, Lojas de Roupas, Lojas de Utensílios em Geral, Lojas de Móveis Boutiques, Distribuidores de Gás, de Água Mineral, Padarias, Lanchonetes, Hotéis, Salões de Beleza, Bancos, Casa Lotérica, Postos de Gasolina, Açougues e Academias.

 

  1. II) do setor da construção civil, mediante cumprimento das notas técnicas expedidas pelo Ministério Público do Trabalho e das recomendações elaboradas pela CBIC- Câmara Brasileira da Indústria da Construção.

 

Art. 2º- Não será permitida nos estabelecimentos a presença de pessoas que se enquadrem nos grupos de maior risco ao novo coronavirus (COVID-19), enquadrados nas seguintes condicionantes;

 

  1. a) possuam doenças cardiovasculares ou pulmonares;
  2. b) possuam imunodeficiência de qualquer espécie;
  3. c) transplantados; e
  4. d) gestantes , puéperas e
  5. e) maiores de 60 anos.

 

Art. 3º – Em caso de descumprimento das medidas previstas neste Decreto, o Gabinete do Prefeito, Secretaria Geral, Departamento de Obra e Engenharia, em conjunto com o Departamentos de Rendas Municipais e Fiscalização e Saúde (Setor de Vigilância Sanitária), são competente para atuar eventuais práticas de infrações administrativas previstas no ordenamento Juridico Municipal inclusive suspensão, cassação do alvará de funcionamento ou interrupção de atividades, bem como, no artigo 10 da Lei Federal nº 6.437, de 20/08/1977, além dos crimes previstos nos artigos 267,268 e 330 do Código Penal, devendo, nestes casos, encaminhar as ocorrências para as autoridades competentes.

 

Art. 4º – Continua determinado o toque de recolher á partir das 22h00min ás 05h00min.

 

Art. 5º- Ficam aplicados a todos os estabelecimentos comerciais e serviços do Município de Terenos-Ms, as recomendações realizadas pelo Ministério Público do Trabalho.

 

Art. 6º- Fica suspensa a realização de festas, eventos, shows ou recepções com mais de 20 (vinte) pessoas por tempo indeterminado.

 

Art. 7º- Os Parques, Praças e Balneários Municipais horários máximos de funcionamento serão das 06h00min ás 17h00min, desde as pessoas não fiquem aglomeradas e atendam as recomendações do Ministério da Saúde e Organização Mundial de Saúde- OMS quanto à prevenção do COVID-19.

Em entrevista coletiva nesta sexta-feira (27), a SES (Secretaria de Estado de Saúde) divulgou um novo balanço dos números do novo coronavírus em Mato Grosso do Sul: são 28 casos confirmados, outras 51 suspeitas e 427 notificações já registradas. Não há nenhum óbito registrado no Estado desde que a pandemia chegou ao Brasil.

 

Os novos casos são de um paciente de Rio Verde de Mato Grosso que esteve na cidade de São Paulo, o grande pico da doença no Brasil. Outro caso que entrou na lista é uma paciente de Batayporã que esteve em contato com uma pessoa já infectada da família na Bélgica. O terceiro novo caso é em Campo Grande, que está sob investigação da onde houve o contágio.

Outro dado colocado na mesa pela secretária-adjunta da SES, Christinne Maymone é que ao todo são 337 casos descartados e outros 11 casos excluídos que não se encaixam nos critérios da doença identificados pelo Ministério da Saúde.

 

Em suma maioria, os casos estão concentrados em Campo Grande, onde pacientes estiveram na Inglaterra e Espanha e demais contatos com pessoas já infectadas pelo vírus. Além da Capital, a cidade de Sidrolândia registra um caso, onde uma paciente esteve viajando por diversos países europeus e Ponta Porã, região fronteiriça que anotou um caso de uma pessoa vindo da Itália, país com maior incidência da doença no momento.

O Ministério da Saúde divulgou o mais recente balanço dos casos da Covid-19, doença causada pelo coronavírus Sars-Cov-2. Os principais números são:

 

  • 92 mortes
  • 3.417 casos confirmados
  • 2,7% é a taxa de letalidade
  • São Paulo concentra 1.223 casos, e o Rio, 493.

 

No balanço anterior, que marcou o primeiro mês da circulação do novo coronavírus Sars-Cov-2 no Brasil, os números apontavam 77 mortes e 2.915 casos confirmados. Em relação às mortes, o aumento foi de 19%, e de 17% em relação aos casos do dia anterior.

Aguardando análise pelo Senado Federal, a aprovação do substitutivo ao Projeto de Lei 9236/17 – que determina plano de pagamento de renda mínima durante a pandemia do novo coronavírus – deve garantir por três meses um auxílio emergencial, de R$ 600 a trabalhadores sem emprego formal, se aprovado.

 

Se o projeto não for alterado no Senado Federal, ele deve beneficiar grupos mais vulneráveis economicamente durante a crise decorrente da pandemia, justamente aqueles sem emprego formal. Para as mães que são chefe de família (família monoparental), por exemplo, o substitutivo permite o recebimento de duas cotas do auxílio, totalizando até R$ 1,2 mil.

Com o novo valor, a estimativa de impacto feita pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia, de R$ 12 bilhões, deve subir para R$ 14,4 bilhões. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), estima-se que 434 mil pessoas em MS trabalhem na informalidade, sendo 293 mil no interior de MS e 141 mil em Campo Grande – mas nem todos preenchem os requisitos. Confira as condições:

 
  • Ser maior de 18 anos de idade;
  • Não ter emprego formal;
  • Não receber benefício previdenciário ou assistencial, seguro-desemprego ou de outro programa de transferência de renda federal que não seja o Bolsa Família;
  • Ter renda familiar mensal per capita (por pessoa) de até meio salário mínimo (R$ 522,50) ou renda familiar mensal total (tudo o que a família recebe) de até três salários mínimos (R$ 3.135,00)
  • E não ter recebido rendimentos tributáveis, no ano de 2018, acima de R$ 28.559,70.

Beneficiários precisarão, ainda, cumprir uma das seguintes condições:

  • Exercer atividade na condição de microempreendedor individual (MEI);
  • Ser contribuinte individual ou facultativo do Regime Geral de Previdência Social (RGPS);
  • Ser trabalhador informal inscrito no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal (CadÚnico) ou ter cumprido o requisito de renda média até 20 de março de 2020.
  • Segundo o projeto aprovado, duas pessoas de uma mesma família poderão acumular o benefícios: um do auxílio emergencial e um do Bolsa Família. Se o auxílio for maior que a bolsa, a pessoa poderá fazer a opção pelo auxílio.
  • Já a renda média será verificada por meio do CadÚnico para os inscritos e, para os não inscritos, com autodeclaração em plataforma digital.
  • Na renda familiar serão considerados todos os rendimentos obtidos por todos os membros que moram na mesma residência, exceto o dinheiro do Bolsa Família.

Quem não tem direito

  • Todos os trabalhadores formalizados pela CLT (Consolidação das Leis do Trabalho)
  • Agentes públicos, independentemente da relação jurídica, inclusive os ocupantes de cargo ou função temporários, de cargo em comissão de livre nomeação e exoneração ou titulares de mandato eletivo.
  • Benefício de Prestação Continuada

    Para pessoas com deficiência e idosos candidatos a receber o Benefício de Prestação Continuada (BPC), de um salário mínimo mensal (R$ 1.045), o INSS poderá antecipar o pagamento de R$ 500 (valor do auxílio emergencial) até que seja avaliado o grau de impedimento no qual se baseia o pedido ou seja concedido o benefício. Porém, essa avaliação costuma demorar, porque depende de agendamento com médicos peritos e assistentes sociais do INSS.

    Quando o BPC for concedido, ele será devido desde o dia do requerimento, e o que tiver sido adiantado será descontado.

    De igual forma, o órgão poderá adiantar o pagamento do auxílio-doença, no valor de um salário mínimo mensal, durante três meses contados da publicação da futura lei ou até a realização da perícia pelo INSS, o que ocorrer primeiro.

    Para ter direito a esse adiantamento, o trabalhador precisará ter cumprido a carência exigida para a concessão do benefício (12 meses de contribuição) e apresentar atestado médico com requisitos e forma de análise a serem definidos em ato conjunto da Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia e do INSS.

    Forma de pagamento

    O projeto estipula que o auxílio emergencial será pago por bancos públicos federais por meio de uma conta do tipo poupança social digital, que será aberta automaticamente em nome dos beneficiários, com dispensa da apresentação de documentos e isenção de tarifas de manutenção.

    Poderá ser feita ao menos uma transferência eletrônica de dinheiro por mês, sem custos, para conta bancária mantida em qualquer instituição financeira autorizada a funcionar pelo Banco Central, que pode ser a mesma já usada para pagar recursos de programas sociais governamentais, como PIS/Pasep e FGTS – mas não pode permitir a emissão de cartão físico, cheques ou ordens de pagamento para sua movimentação.

    Se a pessoa deixar de cumprir as condições estipuladas, o auxílio deixará de ser pago. Para fazer as verificações necessárias, os órgãos federais trocarão as informações constantes em suas bases de dados.

    (Com informações da Agência Brasil)

Homem de 50 anos e uma mulher de 41 anos são investigados pela Polícia Civil de Costa Rica, a 384 quilômetros de Campo Grande, pelo estupro de vulnerável de uma adolescente de 14 anos com deficiência intelectual. A vítima estava morando com o homem mediante autorização da mãe.

 O caso foi levado ao conhecimento das autoridades pelo Conselho Tutelar, na sexta-feira da semana passada, dia 20 de março, a partir de denúncia anônima. A Polícia Militar foi ao local indicado e encontrou a vítima com o homem, que alegou desconhecer que ela era deficiente. A idade mental dela seria como a de uma criança de seis anos.

De acordo com o site MS Todo Dia, o autor informou que convivia com ela há uma semana e que a mãe havia autorizado. A vítima confirmou os abusos, motivo pelo qual o homem e a mãe foram encaminhados à Delegacia de Polícia Civil e respondem pelo crime de estupro de vulnerável.

Em decorrência do período de pandemia do coronavírus (COVID-19) e baseado nas recomendações expedidas pelo Governo do Estado e pelo Ministério da Saúde o deputado Barbosinha (DEM-MS) apresentou indicação, na Assembleia Legislativa, pedindo a suspensão imediata da cobrança de pedágios na BR-163, enquanto perdurar as medidas restritivas decretadas pelo Estado e autoridades de saúde, deixando a via aberta e livre.

O parlamentar justifica a proposta baseado na paralisação dos serviços de diversas empresas privadas, autarquias e entes públicos que colocam os funcionários em contato direto com a população. “Neste serviço o risco de disseminação da doença aumentaria de forma imensurável”, comenta. Barbosinha reforça que neste momento somente os serviços essenciais estão em funcionamento, sendo adotadas por empresas e órgãos públicos medidas de prevenção.

De acordo com o deputado a BR-163 é uma rodovia que possui grande e constante fluxo de caminhões que fazem o abastecimento de todas as cidades do estado, além de ser elo de ligação entre o norte, o sul e sudeste do país.

Na avaliação do parlamentar no momento em que ocorre a coleta do pedágio os funcionários da concessionária ficam em contato direto com diversas pessoas que vêm de diferentes cidades e estados, o que aumenta, em muito, o risco de contato e disseminação do vírus. “Passando pelo pedágio essa semana constatei pessoalmente que os funcionários não utilizam luvas e que o contato com o usuário é manual, ao receber o dinheiro e devolver o troco há inexoravelmente o contato, seja pelas mãos, seja pelo próprio dinheiro, de forma que um funcionário pode se contaminar ou difundir para diversas pessoas o vírus”, esclarece o deputado.

Barbosinha reforça que a medida é necessária e vital para preservar a saúde e integridade dos funcionários da CCR MS Vias, dos usuários, e de toda população. Caso a Concessionária não atenda a solicitação, o deputado pede que o Governo do Estado feche as praças de pedágio e libere o trânsito livre na BR-163 de maneira impositiva, com base na recente decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que deliberou liminarmente sobre a competência dos estados e municípios para legislarem de maneira concorrente sobre a locomoção de pessoas em aeroportos e estradas.

No entendimento do ministro do STF, Marco Aurélio de Mello, “nesse momento de pandemia global as medidas do Governo Federal não afastam a tomada de providências normativas e administrativas pelos Estados e municípios, sendo imprescindíveis para salvaguardar a população do contágio do vírus”.

A prefeita Délia Razuk recebeu um grupo de comerciantes na manhã desta sexta-feira (27) e reafirmou que estão mantidas as medidas contidas no Decreto nº 2.480 de 23 de março de 2020. Entretanto,  diante das ponderações dos empresários, não descartou estudos visando a possibilidade da flexibilização da lei visando o funcionamento do comércio.

 

A chefe do Executivo  reconheceu como legítimo o movimento dos empresários e comerciantes, mas expôs que a administração tem a responsabilidade de adotar medidas que visam à preservação da saúde pública.“Entendemos a preocupação dos comerciantes, sabemos que todos têm suas responsabilidades fiscais. Por hora vamos manter todas as medidas do decreto, com as lojas fechadas e o toque de recolher”, disse a prefeita, reafirmando que a preocupação continua sendo a saúde da população.

A prefeita disse que desde o início da pandemia a administração municipal vem seguindo um protocolo, que começou com a redução do horário de funcionamento do comércio e, depois, o fechamento total, inclusive com limitação de horário para circulação de pessoas nas vias públicas.

 

Ao término da reunião com os representantes do comércio, a chefe do executivo municipal afirmou ser “natural que as decisões sejam adequadas de acordo com a evolução da pandemia”.

Logo após a à reunião com o segmento do comércio, a prefeita Delia Razuk reuniu-se com equipe técnica de médicos que ir irão elaborar Nota Técnica que deverá nortear decisões futuras, inclusive no tocante à flexibilização das medidas contidas no decreto em vigor.

Um pouco antes de receber o grupo de comerciantes, a prefeita teve um encontro com alguns vereadores de Dourados a respeito da manifestação e das medidas que estão em vigor. Entre os representantes da Câmara estavam o presidente  da Casa de Lei, Alan Guedes, Braz Mello, Sérgio Nogueira, Bebeto, Pastor Cirilo e Júnior Rodrigues.

Diálogo

Segundo Alan Guedes na conversa com a prefeita foi tratado do repasse de R$ 150 mil da Câmara que está sendo feito para a Prefeitura e também de questões relativas às medidas já implementadas e outros que podem ser ajustas pelo Executivo.”Existe a possibilidade de um novo decreto ser editado na próxima terça-feira com algumas mudanças.Entretanto , algumas coisa a prefeita não abriu, como por exemplo o toque de recolher que está vigor”, disse Guedes.

Membro o Comitê de Gerenciamento da Crise do Coronavírus e presidente da comissão de Saúde, o vereador Braz Mello também considerou que algumas medidas precisam ser tomadas em relação à crise econômica que pode afetar a cidade. “Qualquer mudança precisa ser bem estudada para que a saúde da população e nem a sobrevivência das pessoas sejam coladas em risco”, afirmou o vereador.

Sérgio Nogueira destacou o papel da Câmara em intermediar diálogos voltados para o desenvolvimento da sociedade e enalteceu a disposição da prefeita em ouvir as ponderações de todos os setores da sociedade.”‘Esse é um momento extremamente delicado e que  precisamos  estar unidos diante de qualquer decisão a ser tomada”, comentou Nogueira.

O líder da prefeita na Câmara, vereador Bebeto disse que a prefeita, após ouvidas as análises técnicas das pessoas que estão envolvidas nas ações de combate ao coronavírus, saberá tomar a decisão mais sensata. “Ela está ciente do problema que  a cidade enfrenta nesse momento difícil mas também está sensível e aberta às reivindicações dos comerciantes douradenses”, disse o líder da prefeita.

Página 1 de 4